“Às vezes, você pode fazer tudo certo, e mesmo assim as coisas dão errado. O importante é nunca parar de fazer o certo.”

“O ódio que você semeia” , Angie Thomas

Quinze Dias #Resenha

Oie, gente!

Livro/Autor/Editora: Quinze Dias, Vitor Martins. Globo Alt.

Avaliação: Repensando o tempo para troca de pijama.

Demorou, mas chegou a resenha da semana!

E com esse livro que foi uma grata surpresa! fiquei apaixonada pela história, os personagens, a escrita!!

Vamos começar pelo fato de ser um autor que nunca tinha lido antes, mas como ele mediou uma palestra de Rainbow Rowell (minha autora xodó da vida), achei que seria muito digno dar uma chance à leitura.

E não me arrependi!

O livro conta a história de Felipe, um jovem que terá os planos de suas férias alterados ao receber, por quinze dias, seu vizinho, Caio.

Ao longo da narrativa, conheceremos um pouco mais de cada um deles, seus pontos fracos e fortes (como senso de humor, escolha de amigos e o fato de um deles não ter visto Friends – ai fica difícil, né? HAHAHAHA)

Os dois são vizinhos desde sempre. Aliás, quando eram mais novos, eles brincavam juntos na piscina do prédio. Até mesmo da brincadeira favorita de Felipe: nadar como sereia.

Eles se afastam  a partir do momento em que Felipe começa  a sentir vergonha do seu corpo , desde então, nem no elevador tem conversa.

Até que os pais de Caio vão viajar e pedem para Rita, mãe e uma perosangem muito genial, cuidarem do filho por 15 dias.

No  começo, Felipe e Caio não conseguem interagir. Uma mistura de timidez e vergonha. Depois, acabam aproveitando os momentos antes de dormir para conversar sobre a vida, coisas que têm em comum, dividir algumas neuras e confissões.

É muito maravilhoso ver a amizade (e, quem sabe, algo mais. Será??) se desenvolvendo. Tem um monte de referência genial de cultura pop, litertura e reality shows que eu adoro!! Tem noites temáticas na hora da janta e adorei ver como os três curtiam comer vendo filmes e programas na TV (Muito gente como a gente).

Tem também a ida da Rita à ONG para dar aulas de artes e um garotinho que fica super apegado ao Felipe (e até faz um desenho dele como super-heroi. #Gracinhaaa)

Além disso, é bem legal ver um livro que tem personagens que fazem terapia e mostram a importância de cuidar da saúde mental, fala, também,  sobre gordofobia e homofobia. Aborda temas importantes, mostra que todos têm inseguranças.

Amei a escrita, a fluidez da narrativa. TODOS  os personagens! Felipe, Caio, a melhor amiga dele e a namorada dela. A socialização deles.

Já estou animada para conhecer mais livros do autor!

Alguém ai já leu? Conta nos comentários o que achou.

Saga Heróis do Olimpo #Resenha

Título/Autor/Editora: Percy Jackson – Os Heróis do Olimpo/ Rick Riordan/ Intrínseca

Avaliação: Tirando a poeira dos almanaques de mitologia grega e romana

Olá, pessoas!

Hoje teremos uma resenha um pouco diferente. Ao invés de escolher só um (tipo, o primeiro) dos livros, vai ter uma recapitulação da saga. Bem daquele jeitinho que eu gosto. Expressando os sentimentos e esquecendo uma parte dos ocorridos porque eu sou essa pessoa. xD

Vamos começar pelo fato de que eu demorei um pouquinho para engatar na leitura. Foram, pelo menos, dois anos entre o primeiro e o segundo livro.

Em minha defesa, eu voei pela saga dos Olimpianos. Estava completamente apaixonada por todos os personagens, apagada por cada um deles, suas trajetórias heróicas e a escrita maravilhosa do Rick Riordan.

Então, ao me deparar com uma nova etapa que começava sem alguns dos meus xodós, a minha leitora crica entrou em ação e, mesmo achando muito intrigante, não consegui seguir. Isso que dá ficar apegadíssima ao ‘elenco original”.

Maaaas, o mundo girou e eu decidi dar uma chance e, olha, foi a melhor escolha que fiz. Depois de uma distância saúdavel no relacionamento, entrar novamente nesse universo foi uma experiência tão legal quanto a primeira vez.

A partir do “Herói Perdido”, conhecemos gente nova, entre eles, Jason, garoto que chegou no rolê sem memória (#QuemNunca), Pheobe e Leo, seus amigos de colégio, ou, pelo menos, é isso que acham.

Logo de cara já dá para notar que algo de errado não está certo. Depois de um ataque, os três amigos vão parar no Acampamento Meio Sangue. Lá, descobrem toda aquela coisa de filhos de deuses e tal, têm contato com uma profecia tensa e percebem que estão envolvidos nissaê. Tudo que o que a gente conhece e ama.

Na profecia, aliás, sete semi deuses vão preecisar salvar o mundo de algo terrível (nunca é um “cêis vão ganhar um caminhão de alegria”).

Ao longo dos cinco volumes, nossos herois são enviados para missões pelo globo para evitar um problemão: Gaia vai acordar e ela não tá feliz.

Nessa trajetória, vemos o retorno de personagens que amamos e ainda mais pessoas novas (que ganham espaço no coração). Conheceos um outro acampamento, a versão romana. É muito interessante ver a diferença entre eles.

Tem essa galerinha armando altas confusões com deuses e semi-deuses meio loucos (como sempre). Passam pelo céu e o inferno (literalmente), construindo engenhocas, enfrentando desafios e provando que amor e amizade realmente são a solução (e a causa) da maior parte dos problemas.

Há problemas de memória, traumas familiares, pessoal vingativo tentando matar todo mundo e barreiras a serem vencidas.

Todos os livros são cheios de ação do começo ao fim, tem aqueles diálogos ágeis e com referências geniais.

Vale a pena dar uma chance para a saga, ver como o novo grupo se forma. É ótimo para relembrar as aulas de História e Geografia (Porque tem várias viagens pela, América do Norte, Europa, Submundo. Todos os lugares encontrados nas melhores agências de turismo).

Quem ai já leu ou quer ler? Conte nos comentários.