A química que há entre nós #Resenha

Título/Autor: A química que há entre nós, Krystal Sutherland. Editora Alt.

Avaliação: Verificando a tabela periódica para ver o composição explosiva de amor adolescente.

Oie, gente!

A resenha de hoje é de um livro que recentemente virou filme. Uma daquelas histórias teens feitas para a gente ficar com o coração apertado e os olhos lacrimejando (JOhn Green, tô pensando em você, fera).

Sabia que não seria algo tão leve, mas fui surpreendida com a história (ou pode ser só a pandemia pesando, né?).

Maaas, vamos ao que interessa. O livro conta a história de Henry Page, um garoto que está no último ano do ensino médio e tem uma vida relativamente organizada, sem muitas emoções. Até porque, sua irmã mais velha foi a rebelde da família, logo, ele tenta ser o “normal”. Principalmente na escola, lugar onde a simples menção do nome da sua irmã já gera tremor em muitos professores.

Tudo isso muda com a chegada de Grace, uma garota diferente, que usa roupas masculinas, uma bengala e, segundo Henry, não parece ter a melhor higiene.

Os dois são chamadado para serem editores do jornal da escola. Esse é um desejo antigo de Henry, mas Grace não tem interesse. Por insistência do garoto, ela aceita.

Grace é introvertida e cheia de segredos por causa do trauma que fez com que ela mudasse de colégio no último ano. E todo esse mistério acaba intrigando Henry. Os dois começam a socializar graças ao jornal da escola e sua convivência se tornam constante e eles criam um laço.

Claramente, se desenrola um romance problemático já que Grace tem dias bons e ruins por causa da situação que ocasionou o problema de sua perna e uma perda que teve.

Estar perto da garota faz Henry ficar obcecado, acaba desleixado nos estudos, focado naquele primeiro amor confuso. Adolescência, sabe?

Além dos dois, são personagens importante a irmã de Henry, Sadie, seus pais que são o exemplo de amor verdadeiro do garota (e super de boa), e os melhores amigos dele, Lola e Murray.

O livro é super fluído, ainda que com alguns temas um pouco tensos e momento de muitas lágrimas, é uma obra que a gente começa e termina no mesmo dia, se puder.

Adorei a escrita, não consegui largar até ver a página de agradecimentos! Cheio de amizade, amor, primeiras experiências da vida, perda e referências de cultura pop, música, literatura.

Uma leitura que valeu a pena. Para quem curte o gênero YA, é um a ótima escolha para dar aquela apertada no coraçãozinho. xD

Alguém aí já leu? Conte o que achou nos comentários.

Enola Homes – Notas da Audiovizueira nº23

Olá, pessoas!

Hoje tem filme no post! É o lançamento da Netflix, “Enola Holmes”.

  • Fala do quê?

Conta a história de Enola, uma garota que acabou de fazer 16 anos e vai embarcar em uma grande aventura para desvendar o mistério do sumiço de sua matriarca.

Pontos importantes

Enola vem de uma família levemente. Provavelmente você já ouvir falar do irmão dela. Ele trabalha investigando uns crimes aí. É bem intuitivo… o primeiro nome é Sherlock. xD

SIM! Ela é irmã do famoso detetive Sherlock Holmes. A história, inclusive é baseada na série de livros da autora Nancy Springer que escreveu essa história a partir do universo criado por Sir Arthur Conan Doyle.

Partindo desse principio, já sabemos que Enola é muito sagaz e tem o faro investigativo de seu irmão. No entanto, até seus 16 anos ela esteve rodeada por seus livros, aprendendo tudo com a sua mãe, desde história até luta, no entanto, não tem nenhuma vivência no mundo real.

Tudo isso muda quando sua mãe, de repente, desaparece, mas não sem deixar algumas pistas sobre onde foi. E, com isso, a garota começa as buscas.

Em sua jornada, ela tem que fugir do irmão mais velho. Mycroft, que insiste que a moça precisa ir à escolha, aprendera a ser uma dama e casar. Além disso, tem que enfrentar o mundo real e lidar com surpresas que aparecem no caminho.

Entre essas coisas que surgem por aí, tem um rapaz que Enola conhece no trem, um jovem marquês chamado Tewksbury que está correndo de sua família que também tem planos diferentes para ele.

  • Fator Cativação

Durante o filme, vemos Enola se desenvolvendo, encontrando seu próprio caminho ao lidar com tantas coisas novas e situações que levam a decisões complicadas e exigem toda a sua inteligência e pensamento crítico.

É interessante ver como ela cria novos laços com desconhecidos que ela deveria conhecer e com aqueles que somente apareceram no meio do caminho.

É impressionante ver como temos mulheres fortes nesse filme, Enola tem a mente muito afiada e sua mãe fez um excelente trabalho ensinando muito mas do que era “normal”/padrão.

Como produção, além de uma direção de arte super bonita, a quebra da 4ª parede é algo muito interessante nesse filme. O tempo todo somos presenteados com pensamentos, comentário e explicações da garota, diretamente para a câmera. Isso faz com que os espectadores entrem na aventura junto com ela.

  • Elenco

Pra fechar com chave de ouro, como não falar desse elenco? Enola é interpretada pela Millie Bobby Brown que é super carismática e leva todo mundo na viagem dela. Seus irmãos são, simplesmente, Sam Claffin e Henry Cavill. Sério, o Sherlock é o Superman. Precisamos de algo mais? HAHAHAHA

E, a sua querida mãe é ninguém menos que a Helena Bonham Carter. E ainda tem mais gente por aí, mas acho que foi o suficiente pra instigar todo mundo, né?

Particularmente, adorei essa produção e foi muito divertido conhecer mais uma integrante dessa família.

Sem mais spoilers, fico por aqui.

Quem já viu o filme? Conta aí o que achou nos comentários.

Até a próxima! =]

Eu… eu sou uma menininha. — respondeu Alice, bastante insegura, lembrando-se do número de mudanças que sofrera aquele dia.

Alice no País das Maravilhas, Lewis Carroll.

A Tempestade #Resenha

Título/Autor: A tempestade, William Shakespeare.

Foto: Site L&PM

Avaliação: Já é a segunda vez que me preocupo com a água nas histórias desse clássico autor. xD

Olá, pessoas!

Chegando mais um clássico que eu pude aproveitar o áudiolivro enquanto realizava outras atividades #multitarefa!

Percebi que esse tipo de livro, os que têm formato de peças, são bem legais para se ouvir (ainda que eu goste muito de ler nesse tipo de estrutura)

A tempestade narra a história de Próspero, um ex-duque que foi enviado ao mar com sua filhinha após o seu irmão armar um golpe para tirá-lo do poder. O plano era que ele simplesmente não sobrevivesse, mas, não deu certo. O homem e sua filha terminaram isolados em uma ilha por 12 anos!

Sobre essa ilha, eu só conseguia ler e pensar em Lost. Sabem o que mais e encontrado nessa trama? Magia! Sim, a história é cheia de elementos mágicos!

Próspero, nos seus tempos de Duque, preferia a companhia dos livros às burocracias políticas, dessa maneira, leu tudo o que existia na Biblioteca de seu castelo, incluindo livros sobre todos os elementos. Inclusive, ele tem poderes. É um mago! Quando é traído por seu irmão, ele vai parar numa ilha na qual acaba libertando um espírito aprisionado com poderes de gênio, Ariel, e Caliban, um homem disforme.

Doze anos após a sua chegada à ilha, surge uma oportunidade única. Seus inimigos (o irmão, Antonio e Alonso, Rei de Nápoles), estão no mar, retornando de um casamento. Próspero cria, junto de Ariel, um naufrágio para que possa trazê-los à ilha e se vingar.

Durante a trama, vemos a interação de Miranda, já com 15 anos e o filho do Rei de Nápoles, uma união inesperada de tripulantes com Caliban, que quer tirar Próspero do poder (ele comanda a ilha e o homem é seu servo), além disso, as tentativas de Alonso, Antonio e Gonçalo de sobreviverem às intempéries do lugar.

Tudo isso se passa no curso de poucas horas, tantas acontecimentos em uma história que tem como raiz a vingança que Próspero tanto deseja, mas se mistura com uma narrativa de primeiro amor, elementos fantásticos e, principalmente, perdão.

Sem dar mais spoleirs por hoje, gente! xD

Quem aí já leu? Contem o que acharam nos comentários!

Uma mente necessita de livros da mesma forma que uma espada necessita de uma pedra de amolar, se quisermos que se mantenha afiada.

Game of Thrones, George R. R. Martin.

Não sei se a internet tem me ajudado a me manter informada ou se a tela estreitou meus olhos, enquanto perco de vista um mundo enorme que não cabe mais no meu campo de visão.

“Bobagens Imperdíveis para atravessar o isolamento: Crônicas fantásticas”, Aline Valek

“Marianne tinha a sensação de que sua vida real acontecia em outro lugar, bem distante dali, acontecia sem ela, e não sabia se um dia descobriria onde era e se seria parte dela”.

“Pessoas normais”, Sally Rooney, Débora Landsberg.

Sempre faço tudo errado quando estou feliz #Resenha

Screenshot_20200820-193638_1.jpg

Título/Autora: Sempre faço tudo errado quando estou feliz: Tirinhas sentimentais para todo tipo de bad. Raquel Segal. Editora Outro Planeta.

Avaliação: Tentando não ter as mesmas atitudes que me mantém na bad como os quadrinhos mostram!

Olá pessoas! Uma resenha novinha em folha chegando. Mais um daqueles livros que a gente pega e, quando percebe, já terminou! DO tipo que faz com que fiquemos com o coração quentinho, mas também nos dá uns belos puxões de orelha. É uma mistura de sentimentos que, em algum momento, você vai se sentir contemplado. Pode ser alguma atitude que já teve (ou ainda segue), por alguma coisa que já pensou e foi descrita em um dos quadrinhos. É muito bom saber que não estamos só em alguns tipos de coisas.

A autora da obra é criadora de uma página no Facebook,  “Aquele Eita”,  de onde saíram tirinhas que, em poucas palavras, conseguem expressar tanta coisa.

E logo no começo tem a apresentação do akapoeta, que escreveu um dos meus livros favoritos, “O livro dos ressignificados” (tem resenha aqui), então, como não amar? E, no fim, também tem uma partezinha escrita pelo Daniel Bovolento, de outro livro que eu adoro “Por onde andam as pessoas interessantes” (resenha aqui).

Nas poucas páginas, essa maravilha de leitura fluída, cativante e cheia de emoções, traz tirinhas que abordam temáticas variadas, fala sobre atitudes que temos e são preocupantes, como os muros que construímos para nos proteger, sobre como deixamos a opinião dos outros influenciar na visão que temos de nós mesmos. Maaaas, também traz muitas mensagens motivacionais, para incentivar as pessoas a acreditarem nos seus talentos, em suas capacidades.

Fala sobre medo, frustrações, ansiedade. Sério. É muito quentinho no coração! Falando umas verdades, mas com aquele abraço de “vai ficar tudo bem”

Aborda relações e relacionamentos. Amor, amizade, autoconhecimento. Sentimentos, no geral. Tem até umas coisas que dão vontade de imprimir e colar na parede para ler TODO DIA. Apoio, otimismo e respeito às emoções. Tem de tudo!!

Curti muito e algumas coisas eu precisava ler nesse momento. Essa é a maravilha da literatura, né?

Espero que curtam e resenha e, quem leu ou ler, comenta aí o que achou!

Até a próxima! =]