A Tempestade #Resenha

Título/Autor: A tempestade, William Shakespeare.

Foto: Site L&PM

Avaliação: Já é a segunda vez que me preocupo com a água nas histórias desse clássico autor. xD

Olá, pessoas!

Chegando mais um clássico que eu pude aproveitar o áudiolivro enquanto realizava outras atividades #multitarefa!

Percebi que esse tipo de livro, os que têm formato de peças, são bem legais para se ouvir (ainda que eu goste muito de ler nesse tipo de estrutura)

A tempestade narra a história de Próspero, um ex-duque que foi enviado ao mar com sua filhinha após o seu irmão armar um golpe para tirá-lo do poder. O plano era que ele simplesmente não sobrevivesse, mas, não deu certo. O homem e sua filha terminaram isolados em uma ilha por 12 anos!

Sobre essa ilha, eu só conseguia ler e pensar em Lost. Sabem o que mais e encontrado nessa trama? Magia! Sim, a história é cheia de elementos mágicos!

Próspero, nos seus tempos de Duque, preferia a companhia dos livros às burocracias políticas, dessa maneira, leu tudo o que existia na Biblioteca de seu castelo, incluindo livros sobre todos os elementos. Inclusive, ele tem poderes. É um mago! Quando é traído por seu irmão, ele vai parar numa ilha na qual acaba libertando um espírito aprisionado com poderes de gênio, Ariel, e Caliban, um homem disforme.

Doze anos após a sua chegada à ilha, surge uma oportunidade única. Seus inimigos (o irmão, Antonio e Alonso, Rei de Nápoles), estão no mar, retornando de um casamento. Próspero cria, junto de Ariel, um naufrágio para que possa trazê-los à ilha e se vingar.

Durante a trama, vemos a interação de Miranda, já com 15 anos e o filho do Rei de Nápoles, uma união inesperada de tripulantes com Caliban, que quer tirar Próspero do poder (ele comanda a ilha e o homem é seu servo), além disso, as tentativas de Alonso, Antonio e Gonçalo de sobreviverem às intempéries do lugar.

Tudo isso se passa no curso de poucas horas, tantas acontecimentos em uma história que tem como raiz a vingança que Próspero tanto deseja, mas se mistura com uma narrativa de primeiro amor, elementos fantásticos e, principalmente, perdão.

Sem dar mais spoleirs por hoje, gente! xD

Quem aí já leu? Contem o que acharam nos comentários!

Segundas Musicais #125

Olá, pessoas!

Começando mais uma semana, o último dia de agosto! Até o mês mais comprido do ano passou voando. Quem diria?

Retornando às raízes, bora de músicas inspiradas em obras literárias!

#SomNaCaixa

01. Amerika – Young The Giant

02. Admirável Chip Novo – Pitty

03. Dust Bowl Dance – Mumford and Sons

04. Monte Castelo – Legião Urbana

Espero que curtam!

Até a próxima. =]

o amor, em sua melhor forma, está mais para um carrinho de mão do que para uma rosa: às vezes cheio de pedras, uma bagunça, mas também duradouro.

Modern love: Histórias reais de amor, perda e redenção, Daniel Jones, tradução: Ana Rodrigues.

O Livro do Sim #ResenhaDeQuinta

Screenshot_20200702-203030_1.jpg

Título/Autor(a)/Editora: O Livro do Sim, Ziraldo. Melhoramentos.
Avaliação: Nem tirei a panela da cabeça…

Olá, pessoas!

Para a resenha de hoje, achei que seria interessante deixar os “dois lados da moeda”.

Na semana passada, teve “O Livro do Não”, uma coletânea de frases e pensamentos super fofos do Menino Maluquinho. Se não leu, confira aqui.

Por isso, nada melhor do que fechar o “ciclo” com a outra parte, que, da mesma forma que a sua versão “negativa”, não que seja um livro com bad vibes, mas tem o “Não” como palavra-chave principal, traz uma série de frases gracinha, reflexão enormes para um espacinho tão pequeno!

As temáticas abrangem família, respeito aos mais velhos, higiene (escovar os dentes é muito importante. O menino maluquinho confirmou isso aí), além de amizade (a máxima de “amigos serem humanos que não gostam das mesmas coisas que você é tragicômica e muito real às vezes”).

Tem comentários ótimos sobre a importância de ler e de transformar esse hábito em algo que seja feito por gosto e não como uma obrigação chata, enfatiza muito a relevância dos livros, o que é muito genial (já que é um livro principalmente para um público iniciante no mundo das palavras!). Tem frases motivacionais as possibilidades encontradas no novo dia, sobre ser gentil.

Ainda que não seja uma leitura focada nas “crianças crescidas”, é maravilhoso poder aproveitar essas pérolas de sabedoria inocente, em poucas páginas, cheias de ilustração. Para aqueles dias difíceis ou quando precisamos de algo para acalmar a mente, nada melhor do que uma dose de fofura ilustrada para nos ajudar, né? E o Menino Maluquinho é um clássico, impossível não se cativado!

Por hoje é só, gente.

Espero que gostem! Até a próxima!