photo of a person leaning on wooden window

Existem dias em que somos acometidos por um abraço triste do fracasso.

E parece uma assombração que fica nos perseguindo o tempo todo. Ainda que tentemos pensar em outras coisas, nos distrair.

É só dar uma bobeada e lá está ele novamente: o fantasma do fracasso.

Como se o nosso corpo tivesse uma nova aura bodeada jogando peso nos ombros e lembranças na cabeça.

Trazendo a pressão de tudo aquilo que você devia ter feito. E não fez.

As escolhas realizadas, decisões que tomou. E errou.

Como se fosse a retrospectiva de final de ano, só com os vacilos. Tudo vem à tona.

Nem sempre como um filme em sua mente, as vezes só com o peso de um sentimento terrível.

De ver o que poderia ter feito. A nostalgia por tudo aquilo que não viveu.

A vontade de chorar por todo o tempo que perdeu. (Enquanto perde mais tempo chorando por isso…)

Sua mente termina num vórtice, numa eterna competição entre as suas “realizações” e  as de outras pessoas. Comparando os feitos de gente da sua idade, familiares, amigos.

Sentindo como se a derrota iminente finalmente chegou. O prazo esgotou.  A prova acabou e a folha tá toda em branco.

Então surge a vontade de se esconder, ficar enrolado em posição fetal bate forte. Tira as forças. Impede que os pensamentos seja coerentes.

Você perde a vontade de tentar, de seguir em frente. Como se o jogo tivesse terminado.

…………………………………………………………………………………………………………….     será o fim da linha?

Não, jovem padawan! Não é o fim de nada não!

Mas que bobagem, Sr. Fracasso. Vá carpir um lote e largue das pessoas.

Isso aqui não é uma competição, é a vida.

Você pode conquistar o sonho hoje, amanhã. Ou talvez nunca, pode ser que o sonho mude, se adapte ou se recrie a cada segundo!

Somos seres mutáveis e nos transformamos todos os dias. Porque raios devemos nos prender a algo tão vazio como expectativas?

Cada um tem a sua jornada, o seu processo. Alguns levam mais tempo, outros chegam mais rápido a certos pontos.

Mas a linha final é a mesma!

Infelizmente, não sabemos o tempo da corrida. Então, vamos aproveitar cada centímetro conquistado.

Todo suor, lágrimas e luta serão válidos. Porque nos levará até onde devemos ir. (ainda que a gente não saiba aonde isso é!)

Não vamos desperdiçar momentos preciosos porque queremos desistir, achando que perdermos a oportunidade.

Como diz a música: Ninguém é igual a ninguém.

E como diz a sua matriarca, provavelmente:  VOCÊ NÃO É TODO MUNDO.

Se a pessoa ao lado chegou a um ponto que você gostaria, tente pensar naquilo que você precisa fazer para conquistar o que deseja.

Veja se não está se autossabotando. Será que está negligenciando seus sonhos?

Está correndo atrás do que ama? Ou está esperando que tudo caia no seu colo?

Aceitou o fantasma do fracasso como companheiro e se manteve plantado como um árvore? (Aí cê não colabora também, né?)

A assombração da derrota engole a nossa mente a partir do momento em que achamos que nosso esforço não vale a pena, que não temos capacidade.

Não deixa ele te agarrar e te afundar na areia movediça do medo!

O sentimento é terrível e cê merece mais do que isso. Todo mundo merece!

Caça-fantasma nele e #VamoQueVamo

Tira o lençol dessa aparição do Scooby Doo que e sua cabeça deixou entrar aí!

Ajuda o universo a te ajudar!. Nada vai acontecer se não der o primeiro (e o segundo e o terceiro passo). Vamos conservar as forças para as batalhas reais.

Deixa o fracasso fracassar na tentativa de te rebaixar.

Foto por Dương Nhân em Pexels.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.